Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.idp.edu.br//handle/123456789/3413
Título: Direito fundamental à saúde: os limites para a sua concretização e o poder judiciário
Tipo: Monografia de especialização
Autor(es): Dias, Alessandra Cristina de Oliveira
Palavras-chave: Direito Fundamental;Direito Social;Direito à Saúde;Reserva do Possível;Poder Judiciário
Data do documento: 2012
Editor: IDP/EAB
Citação: DIAS, Alessandra Cristina de Oliveira. Direito fundamental à saúde: os limites para a sua concretização e o poder judiciário. 2012. 58 f. Monografia de Especialização (Pós Graduação Latu Sensu em Direito Constitucional) Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa, Brasília, 2021.
Resumo: O presente trabalho versa sobre o reconhecimento do direito à saúde como um direito fundamental e, por conseguinte, um direito constitucionalmente garantido pelo Poder Público. Primeiramente, será dado um enfoque geral sobre a evolução histórica dos direitos fundamentais, tornando-se possível definir, a partir dessa percepção, seu conceito, suas finalidades, suas características e sua classificação, bem como sua positivação e o surgimento dos direitos sociais, caracterizados pela crescente conscientização mundial sobre a proteção e a efetivação de todos os direitos fundamentais, para que se possa alcançar o verdadeiro significado da cidadania. Assentadas essas premissas, o trabalho foi dividido em três etapas. A primeira tem como objeto o estudo analítico do direito à saúde, cuja temática é de extrema importância, seja do ponto de vista da realidade social, seja do ponto de vista da teoria constitucional, pois quando se afere o direito à saúde como um direito social, coaduna-se, em contrapartida, uma exigência de atuação positiva do Poder Público. A segunda etapa consiste em explanar a problemática que envolve, sob o aspecto sócio-econômico do Estado, os pontos que realmente podem ser considerados como efetivos limites à realização dos direitos sociais. Dentro dessa perspectiva, observar-se-á que a concretização do direito à saúde, no que se refere às prestações materiais, encontra seu limite de efetivação na chamada “reserva do possível”, cuja análise será detalhadamente demonstrada através de abordagens doutrinárias e jurisprudenciais consagradas em nosso ordenamento jurídico. Por fim, na última etapa serão expendidas considerações doutrinárias e jurisprudenciais acerca do Papel do Judiciário, sua legitimidade para intervir, no que concerne à imposição – com espeque no direito à saúde como direito fundamental social de prestação – nas condutas do Estado.
URI: https://repositorio.idp.edu.br//handle/123456789/3413
Aparece nas coleções:Especialização em Direito Constitucional

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MONOGRAFIA - ALESSANDRA CRISTINA DE OLIVEIRA DIAS.pdf377.19 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.