Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.idp.edu.br//handle/123456789/295
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorSilveira, Gabriel Abbad
dc.date.accessioned2012-06-18T17:38:23Z
dc.date.available2012-06-18T17:38:23Z
dc.date.issued2012-06-18
dc.date.submitted2010
dc.identifier.citationSILVEIRA, Gabriel Abbad. O cabimento de reclamação constitucional em sede de intervenção anômala da fazenda pública: artigo 5º, parágrafo único, da lei n. 9.469/97. Brasília, 2010. 50f. –Monografia (Especialização) . Instituto Brasiliense de Direito Público.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.idp.edu.br/123456789/295
dc.descriptionMonografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Direito Processual Civil no curso de Pós-Graduação Lato Sensu do Instituto Brasiliense de Direito Público- IDP.pt_BR
dc.description.abstractO presente estudo, situado no campo do Direito Processual Civil, discute o cabimento de reclamação constitucional em sede de intervenção anômala da fazenda pública (modalidade de intervenção de terceiros prevista no parágrafo único do art. 5º da Lei n. 9.649/97 que dispensa a demonstração de interesse jurídico do interveniente, que passa a ser considerado parte se vier a recorrer). Partiu-se da hipótese de que a reclamação é medida cabível desde que a sua natureza jurídica coincida com a posição tendente a considerá-la direito de petição; caso contrário, o reclamo será cabível somente se houver prévio recurso do interveniente anômalo na lide (condição em que será parte), o que pressupõe reclamação oriunda de demanda judicial O presente trabalho consistiu de pesquisa dogmática e bibliográfica, com o intuito de testar as hipóteses de pesquisa, bem como exame dos entendimentos do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal sobre a matéria debatida, a fim de investigar se é ou não cabível o manejo de reclamação constitucional quando a atuação da fazenda pública se dá em sede de intervenção anômala. Em caso afirmativo, investigou-se em que condições isso poderia ocorrer. O estudo revelou a profusão de opiniões doutrinárias e jurisprudenciais diferentes a respeito da natureza jurídica da reclamação constitucional. A posição majoritariamente adotada pelo Supremo Tribunal Federal é a de tratar-se de direito de petição, enquanto a doutrina tende a entender que se trata de ação constitucional autônoma. Apenas se se cuidasse de direito de petição seria o caso de se permitir a reclamação em sede de intervenção anômala, pois a todos é conferido esse direito (art. 5º, XXXIV, da Constituição). Embora seja mais adequada à realidade a ideia de se tratar de direito de ação, a impedir o reclamo constitucional porque em ações deve haver interesse jurídico, salvo quando houver recurso do interveniente, a orientação do Supremo Tribunal Federal se revela a de prevalência mais provável, admitindo-se a reclamação em qualquer caso. Confirmaram-se as hipóteses de pesquisa.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accesspt_BR
dc.subjectProcesso Civilpt_BR
dc.subjectReclamação Constitucionalpt_BR
dc.subjectFazenda Públicapt_BR
dc.subjectLei 9.469/1997pt_BR
dc.titleO cabimento de reclamação constitucional em sede de intervenção anômala da fazenda pública: artigo 5º, parágrafo único, da lei n. 9.469/97.pt_BR
dc.typeMonografia de especializaçãopt_BR
dc.location.countryBRApt_BR
Aparece nas coleções:Especialização em Direito Constitucional

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Monografia_Gabriel Abbad Silveira.pdf277.04 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.